terça-feira, 26 de novembro de 2019

Benefícios do estudo da MÚSICA



Antes de mais nada, não poderia de comentar a foto, e caso você não saiba, a mãe de Albert Eistein era uma musicista muito talentosa que fez com que a música permeasse boa parte do crescimento de suas crianças. Albert começou a tocar violino aos 6 anos e aos 13 já tocava as principais sonatas de Mozart.

Eistein disse uma vez "a vida sem música é inconcebível para mim. Eu vivo meus sonhos acordados através música. Eu vejo a minha vida na música... grande parte do meu prazer na vida vem da música."

Um novo estudo do Boston Children's Hospital encontrou uma correlação entre o estudo e pratica da música com uma melhora nas funções executivas do cérebro em crianças e adultos. Vários outros estudos já abordaram o impacto da música nas habilidades cognitivas, mas esse foi o primeiro a buscar os efeitos do estudo da música logo cedo em relação às capacidades executivas.

As funções executivas do cérebro são descritas como os processos cognitivos de alto nível necessários para que uma pessoa processe e retenha informações rapidamente, regule seu comportamento, tome as decisões corretas, resolva problemas, planeje e ajuste de acordo as novas demandas. Outro componente importante é a flexibilidade cognitiva, representada pela adaptabilidade a novas tarefas.

Nadine Gaab, PHD, uma das pesquisadoras do laboratório de Boston diz "como as funções executivas do cérebro são um forte indicativo de sucesso acadêmico, ainda mais forte do que o Q.I., nós achamos que nosso estudo possui altas aplicações educacionais".
"Enquanto muitas escolas continuam cortando o ensino da música e investindo cada vez mais no treinamento para testes, nossos estudos apontam que o treinamento musical na verdade pode ajudar nossas crianças a terem um futuro acadêmico melhor."

Três benefícios do estudo da música:

1 - Músicos possuem uma maior habilidade par integrar os sentidos da audição, tato e visão.
2 - Começar a estudar música antes dos sete anos de idade tem mostrado ser o que causa mais impacto. A idade em que a pessoa começa a tocar influencia a anatomia do cérebro dela quando adulta.
3 - As conexões cerebrais responsáveis pela prática do improviso são desenvolvidas pelo treino sistemático, levando uma dependência menos da memória de curto prazo, e incentivando conexões por todo o cérebro.

Os adultos e crianças músicos do estudo do Hospital de Boston mostrou uma performance maior em diversos aspectos da função executiva do cérebro. Foram observadas maiores atividades no córtex prefrontal e nas áreas motoras, assim como em regiões que não são diretamente ligadas a essas funções executivas.

Um outro estudo, de maio de 2014, também mostrou que a prática e estudo da música pode aumentar o fluxo sangüíneo no lado esquerdo do cérebro. Isso sugere que a música e a linguagem podem dividir os mesmos caminhos na mente.

Esses estudos mostram que o treinamento da música pode te ajudar também com suas habilidades linguísticas.

Em suma, o estudo conclui que crianças e adultos que se dedicaram pra valer à pratica da música apresentam funções executivas superiores quando comparados aos não-músicos. Estamos falando de habilidades como flexibilidade cognitiva (adaptabilidade a novas tarefas), memória de curto prazo e velocidade de processamento.

Os pesquisadores ainda fazem a observação de que a correlação não implica causalidade ainda. Ou seja, há a possibilidade de que as crianças e adultos que tocam um instrumento já tenham habilidades que fazem com que elas se sintam atraídas pelo instrumento musical. Novos estudos estão sendo concluídos para que seja possível identificar a causalidade.

O grande esforço dos autores do estudo é enfatizar a importância da música na grade curricular e o fato dela poder ajudar no desenvolvimento acadêmico
desses alunos. Substituir a musica por outras atividades, mesmo que sejam voltadas a investir em outras matérias, pode ser um tiro no pé. O desenvolvimento da música, especialmente logo cedo, pode ser fundamental para um futuro acadêmico brilhante.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

HADOUKEN - DIA DO MÚSICO

HADOUKEN - DIA DO MÚSICO (22 de Novembro)

A imagem pode conter: texto


Antes de perguntar a um músico se ele toca de graça ou com o que ele trabalha. Pergunte-se:
a) Com que dinheiro ele estudou ou estuda?
b) Com que dinheiro ele comprou e compra seus instrumentos e equipamentos?
c) Com dinheiro ele faz a manutenção dos seus instrumentos e equipamentos?
e) Com que dinheiro será que ele paga suas contas?

Para quem não sabe a profissão de músico é regulamentada pelas portarias 3.346 e 3.347 do Ministério do Trabalho.
Ser músico não é simplesmente brincar de ser feliz,é levar felicidade aos outros, é imortalizar momentos. O músico é alguém que abençoado por Deus, é ter uma outra realidade, ter uma percepção de coisas que nem todos percebem.

Valorize os músicos que você conhece e, se não conhece, passe a conhecê-los. Garanto, a maioria deles são gente fina e trabalham e estudam bastante, muito mais do que imagina.

O homem que trabalha somente por dinheiro e não tem prazer naquilo que faz, pode se considerar um escravo remunerado, e desse mal nós músicos estamos livres.

Tiago 1:17 "Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há oscilação como se vê nas nuvens inconstantes."
"Sou músico sim, graças a DEUS!"

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

ANALISE MODAL – Parte I – Modos gerados pela Escala Diatônica Maior (eBook + áudios) 2ª edição

ANALISE MODAL – Parte I (eBook + áudios) 2ª edição
Modos gerados pela Escala Diatônica Maior 
R$ 50,00 - link para compra CLIQUE AQUI PARA COMPRAR

O método aborda conceitos referentes a forma correta de análise dos modos gerados pela escala diatônica maior, com abrangência melódica e harmônica. Contendo conceitos quando as suas estruturas, formas e aplicações, soluções para perdas de diatônicidade e intenções modais.
O material tem serventia para qualquer instrumento de ordem melódica ou harmônica.
dúvidas (17) 99103-3962
Breve disponíveis:
ANALISE MODAL – Parte II – Modos gerados pela Escala menor Harmônica (eBook + áudios)
ANALISE MODAL – Parte III – Modos gerados pela Escala menor Melódica (eBook + áudios)

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Atitude Positiva

A imagem pode conter: violão e texto

Existem dias que nos sentimos bem e capazes de tocar muitas coisas na guitarra de forma fluente, mas alguns outros temos sensação de que você é não tocamos porcaria nenhuma. Todo músico nós já teve essa sensação.
Quando você sentir que bateu em uma parede e que não está evoluindo, não basta pensar positivo, tenha uma "atitude positiva" só pensar não resolve. Muito menos, espere alguma motivação, o que nos muda é a disciplina e não a motivação.
Na motivação você se sente bem para estudar e praticar, na disciplina. você faz isso e se sente bem depois.
Nunca sinta um problema musical como um problema pessoal, mas sim como um oportunidade de aprender algo novo.
Mas, se ainda continua insistindo que pensamento positivo muda alguma coisa, quando tiver uma diarreia, pense positivo e depois me conta se parou.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Alongamento para Músicos (instrumentos de corda)



O objetivo de se alongar 

Você deve estar se perguntando – Eu realmente preciso fazer isso? A resposta, claro, é não. Então por que perder seu tempo, por que se alongar?

A única razão está nos benefícios adquiridos com o alongamento. Quem faz esses exercícios da forma correta, e sempre que toca guitarra, obtém melhores resultados, como maior velocidade, força e resistência. Assim, o alongamento é apenas algo a mais, uma vantagem para o guitarrista que quer solar melhor, mais rápido e durante mais tempo.

Flexibilidade

Porque Flexibilidade é importante?


Flexibilidade aumenta a eficiência e performance física. Uma articulação
flexível tem a capacidade de se mover mais em sua amplitude, e requer menos energia para fazê-lo. Aumentar essa eficiência diminui o risco de dano físico, habilitando diversos tecidos e músculos a atingirem um alcance máximo durante atividades físicas.

Flexibilidade também aumenta o fornecimento de sangue e nutrientes para as estruturas articulares, o que amplia a elasticidade dos tecidos e músculos que envolvem as articulações do corpo. Outro aspecto importante, é que grande flexibilidade permite liberdade de movimento, desacelerando a degeneração das articulações e prolongando a sua vida de treino. Flexibilidade também atrasa a fadiga muscular, e previne e alivia músculos doloridos após se exercitar.
(Trecho extraído do livro Train Tough, de Jason Weber, ABC Books.)

O que não deve ser feito

Existem basicamente duas coisas que não devem ser feitas ao se alongar. Uma delas é um erro muito comum, e pode ser observado em qualquer lugar onde esteja uma pessoa se alongando, como na academia, ou na ciclovia, enquanto ela se balança pra lá e pra cá. O alongamento deve ser feito com lentidão, sem movimentos de vai e vem. Geralmente as pessoas agitam seus braços e pernas para se esticar ainda mais. Evite fazer isso, pois não há nenhum ganho de flexibilidade nesses movimentos, e eles ainda podem ser prejudiciais!

Você também não quer se machucar, logo não force muito seu corpo. Apenas estique um pouco até sentir uma leve tensão. Lembre-se que o nosso objetivo aqui não é encostar o polegar no antebraço, é apenas melhorar a sua 
elasticidade. 

Quanto tempo de alongamento

O alongamento completo dura menos que três minutos. Mais que isso é exagero.

Quando fazer

Ele deve ser feito de preferência logo após você terminar de tocar guitarra. Não é necessário se alongar antes, um rápido aquecimento já é suficiente.

Como fazer
Todo alongamento deve ser feito lentamente, esticando músculos e tendões até um ponto próximo ao seu limite de flexibilidade. Vá puxando até atingir o seu máximo, segure por 15 segundos, e deixe voltar ao normal. É preciso forçar um pouco (do contrário o alongamento é inútil), mas nunca até doer. Para encontrar o ponto certo entre forçar demais e forçar de menos, basta praticar algumas vezes.




Fonte: Por Emiliano Gomide